Fundo Monetário Internacional (FMI) envia 2º “ultimatum” para El Salvador antes do lançamento da lei do bitcoin

Em 31 de agosto, El Salvador credenciou oficialmente um fundo de US$ 150 milhões para reforçar suas ambições de Bitcoin. A ação de El Salvador foi prontamente seguida por um ultimato do Fundo Monetário Internacional alertando que o Bitcoin se tornaria moeda legal logo após a implementação do projeto em 7 de setembro.

O Fundo Monetário Internacional (FMI), “pediu” que El Salvador “mude de rumo” e pare de usar o Bitcoin como moeda legal, citando “grandes riscos” representados pela criptomoeda.

A organização aconselhou que as autoridades do país restrinjam o escopo da lei Bitcoin, removendo o status de curso legal do Bitcoin, de acordo com um comunicado do Fundo Monetário Internacional publicado nesta terça-feira(25).

Os diretores executivos do FMI, que representam os 190 países membros do fundo, falaram sobre “riscos do Bitcoin” para a “estabilidade financeira e proteção ao consumidor.” O FMI também expressou preocupação com os riscos associados à emissão de títulos lastreados em Bitcoin.

A adoção de uma criptomoeda como moeda legal, diz o FMI, acarreta “grandes riscos para a integridade financeira e de mercado, estabilidade financeira e proteção do consumidor.”

“Criptoativos de emissão privada, como o Bitcoin, carregam perigos consideráveis. Torná-los equivalentes a moedas nacionais é um atalho imprevisível e inseguro”

El Salvador e Bitcoin

Em setembro de 2021, El Salvador se tornou o primeiro país do mundo a adotar o bitcoin como uma moeda de curso legal, tornado a criptomoeda uma moeda legal para uso em todas as transações, juntamente com o dólar americano.

Em novembro, o presidente de El Salvador, Nayib Bukele, anunciou planos para criar a Bitcoin City, uma cidade construída do zero, cuja economia será centrada na mineração de bitcoin e será alimentada por um vulcão.

O FMI não gostou da ação do país, e adotou uma postura rígida, criticando o bitcoin como moeda de curso legal.

Apesar de ser destinado a apoiar a democracia e os mercados livres, as reformas mandatadas pelo FMI em troca de seus empréstimos historicamente incluíram sérios cortes nos gastos sociais e na política industrial.

El Salvador, um país de baixa renda e alto endividamento, está negociando com o FMI um de seus empréstimos no valor de US$ 1,3 bilhão. Um obstáculo foi a recente adoção do bitcoin como moeda legal pelo país. O FMI sinalizou que não estava muito feliz com essa ideia.

Em novembro, a organização alertou El Salvador pelo uso de bitcoin, citando riscos associados à criptomoeda, um dia depois que o país anunciou planos para criar a “Bitcoin City”.

“Dada a alta volatilidade dos preços do Bitcoin, seu uso como moeda legal acarreta riscos significativos para a proteção do consumidor, integridade financeira e estabilidade financeira”, disse o FMI em comunicado.

O FMI acrescentou: “Por causa desses riscos, o Bitcoin não deve ser usado como moeda legal.”

 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.